A Teoria do Apego de John Bowlby e a Teoria das Transições Psicossociais de Colin Parkes oferecem os fundamentos para a compreensão de fenômenos relativos a morte e ao luto, nos processos de formação e rompimento de vínculos afetivos, necessários para a sobrevivência do individuo e da espécie.
Na formação do psicólogo, evidencia-se a necessidade de abordar questões relativas a morte e luto, não contempladas no currículo regular, embora fundamentais para conhecimentos e desdobramentos na ciência e na profissão, livre de preconceitos.
A disciplina enfoca esse processo de construção de vínculos e de aprendizagem de
- fundamentos teóricos, históricos e filosóficos, com base na Teoria do Apego desenvolvida por John Bowlby.
- morte e luto no mundo contemporâneo, considerando mobilidade social e geográfica, envelhecimento populacional, autonomia decisória, fundamentos espirituais e religiosos, avanços científicos, com fundamento na Teoria das Transições Psicossociais de Colin Parkes.
- novas linguagens que o profissional psicólogo deve dominar na sua atuação, considerando os diferentes atores no cenário contemporâneo sobre morte e luto.

OBJETIVOS
- discutir questões contemporâneas relativas a morte e ao luto, fundamentadas na Teoria do Apego e na Teoria das Transições Psicossociais
- dispor de conhecimentos para momentos futuros de sua formação na graduação, nas áreas hospitalar, educacional, social.
- identificar seu papel profissional como psicólogos na utilização dos conhecimentos em âmbito multiprofissional.
- conhecer posições pessoais e experienciais quanto a morte e ao luto.
CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
- Morte e luto com fundamento na Teoria do Apego de John Bowlby, sobre formação e rompimento de vínculos.
- Luto no ciclo vital e condições especiais, vistas apoiadas na Teoria das Transições Psicossociais de Colin Parkes: luto complicado e não reconhecido
- Morte e luto e seus desdobramentos no mundo contemporâneo: doação de órgãos e tecidos; decisões no final de vida; epidemias e aborto; métodos artificiais de concepção; desastres e mortes em massa. Comportamento cuidador do individuo, família e sociedade.
- Morte, luto e a bioética: autonomia decisória, legislação e protagonismo segundo a Teoria do Apego de John Bowlby.