A Ação e o Problema do Começo na Política

Para Hannah Arendt, entre as condições nas quais a vida nos é dada está a Pluralidade, ou seja, o fato da vida nos ser dada para ser vivida em conjunto. Esta condição exige o desenvolvimento de uma atividade, a Ação, que implica em tratarmos, entre nós, do que ela chama de negócios humanos, cujo resultado são a História e a Política.
A Ação lida com projetos, visa realizar tudo o que se quer, mas ainda não é, e seu chão e destino são as relações humanas, perfazendo-se através de nossos atos e palavras. A Ação só se mantém enquanto agimos e falamos, não deixando atrás de si rastros objetivos, tal como é pertinente a outras atividades a exemplo do Labor – que produz tudo o que nos garante a vida e satisfaz suas necessidades-, e do Trabalho, que fabrica os artefatos que constituem nosso mundo e ambiente.
A Ação também está codeterminada por outra condição humana, a Natalidade, que implica no fato de que cada homem é um novo começo, uma novidade que se introduz no mundo e, como novidade que é, abre caminho para a liberdade na nossa existência histórica e política. Arendt afirma constantemente que a “liberdade é a razão de ser da política”, indicando que a liberdade não faz parte da natureza humana, mas é matéria e conquista da política. O novo Começo e a Liberdade, assim, aparecem como os problemas da e para a política, que Arendt torna evidente em especial em sua obra “Sobre a Revolução”.
Este curso tem por objetivo examinar e compreender estas ideias de Hannah Arendt, tomando como guia não apenas “Sobre a Revolução”, mas também outras duas obras que oferecem luz e fundamento para estas questões: “O Querer , in A Vida do Espírito –” e “A Condição Humana”.


Bibliografia Básica
- Arendt, Hannah - Sobre a Revolução, Companhia Das Letras, SP, 2011, trad. Denise Boltmann,
- Hannah Arendt, A Vida do Espírito, Civilização Brasileira, RJ, 2009, trad. César Augusto de Almeida e outros. (Livro II “O querer”)
- Hannah Arendt, A condição Humana, Forense Universitária, RJ, 2001, trad. Roberto Raposo.


Bibliografia Complementar
- Adler, Laure – Nos Passos de Hannah Arendt, Record, RJ/SP, 2007, trad. Tatiana Levy e Marcelo Jacques.
- Arendt, Hannah - Lo que quiero es compreender – Sobre mi vida y mi obra, Editorial Trotta, S.A., Madrid, 2010, tradução Manuel Abella y José Luiz Lopez de Lizaga
- Arendt, Hannah - A Promessa da Política, Difel, RJ, 2008, trad. Pedro Jorgensen Jr.,
- Correia, Adriano, coord., Transpondo o Abismo, Hannah Arendt entre a filosofía e a política, RJ, Forense Universitaria, 2002.